sexta-feira, 2 de junho de 2006

Monumentos da I e II Guerras Mundiais

Entrevistando recentemente o Sr. Jalcy Azambuja, morador antigo de Capão do Leão, ele informou de um fato curioso que foi a comemoração da rendição da Alemanha na II Guerra Mundial em 1945, que conforme diz: "foi uma enorme festa". Ele narrou alguns detalhes desta comemoração em Capão do Leão, contou que houve um grande número de pessoas na vila àquela época - cerca de quatro mil -, mais um grande churrasco, etc. História semelhante já tinha ouvido entrevistando outra moradora antiga, a Sra. Irene Teixeira. Procurei informar-me mais a respeito e consultei o Diário Popular daquela época. Esclarecendo que o fato da rendição da Alemanha na II Guerra deu-se em maio de 1945, neste período concentrei minha verificação. E, surpreendentemente, encontrei informações que não só comprovavam o acontecido, como também acrescentavam coisas que nem sabia ou podia imaginar. Veja só: Capão do Leão possuía (ou ainda possui?) monumentos entalhados em granito alusivos as vitórias aliadas nas I e II guerras mundiais. Inclusive na edição do jornal que consultei (13-05-1945), há uma foto que mostra o monumento referente à I Guerra. Pelas informações que a reportagem exibe, sou levado a crer que um dos monumentos - o alusivo à II Guerra Mundial - seja o marco da atual Praça João Gomes. Não posso, todavia, comprovar essa suposição. Mas que as informações levam a crer, sim.
Abaixo a reportagem do Diário Popular, de 13 de maio de 1945:
Imortalizados no Granito os feitos heróicos
dos Soldados da Liberdade
Talvez não seja do conhecimento de grande parte da população de Pelotas que, na Pedreira Municipal situada na Vila de Capão do Leão existe um rústico, mas imponente monumento que ali foi colocado no ano de 1919, assinalando a vitória aliada sôbre a Alemanha na guerra passada. Num lugar alto, de onde se descortina uma belíssima paisagem, que mais se parece com uma pintura alegórica, sôbre uma pedra bruta e milenária, ergue-se um marco de granito de três metros de altura ostentando a seguinte inscrição: "Glória aos Aliados - Honra ao Brasil". Já naquele ano, a nossa gente não sabia esquecer e não podia deixar de assinalar um acontecimento universal de tanta significação para a história da humanidade e que parecia determinar o ponto inicial de uma era de paz e felicidade entre os homens. Talvez morador daquele minúsculo torrão do Brasil, sr. João Vieira Mendes que foi o patrono dessa brilahnte idéia, não calculasse que, dentro de tão poucos anos novamente a humanidade seria envolvida numa calamidade de tão grandes proporções; que novas lágrimas iriam ser derramadas e que novos sofrimentos fôssem pertubar a paz e a tranqüilidade de milhões de lares espalhados pelo mundo.
Foi, inegavelmente, uma forma singular mais expressiva que o povo do Capão do Leão encontrou para registrar a vitória aliada de 1918. UM NOVO MARCO SERÁ COLOCADO, HOJE, NA PRAÇA DO CAPÃO DO LEÃO.
Afim de assistir os trabalhos preparatórios da grande festa que será realizada, hoje, na vila de Capão do Leão em regosijo á rendição incondicional da Alemanha, comparecemos ontem áquela localidade. Pelo que nos foi possível constatar no lapso de tempo que ali permanecemos, essa realização que terá início dentro de poucas horas, será a maior até hoje levada a efeito no interior do município de Pelotas.
Na companhia de funcionários da Pedreira Municipal, atualmente arrendada pelo sr. Eduardo Traverssi Filho, estivemos no local em que está colocado o monumento comemorativo á vitória de 1918, onde tiramos uma das fotografias que ilustram a presente reportagem. Na mesma ocasião foi nos possível assistir parte do trabalho de elaboração de um outro marco de granito que hoje será inaugurado num logradouro público situado no centro da Vila.
Soubemos, por intermédio das pessoas que nos acompanharam, que momentos depois da divulgação da sensacional notícia da rendição incondicional da Alemanha, foi dado início á construção dêsse monumento que ali ficará erguido, assinalando a vitória das Nações Unidas e a glorificação dos nossos patrícios que derramaram seu sangue nos campos da Europa, em defesa do nome sagrado do Brasil.
Moro há dezessete anos no Capão do Leão e jamais tinha ouvido falar a respeito destes dois monumentos. O primeiro, que o jornalista da época afirma ter cerca de três metros, é espantoso!
Gostaria de ter mais informações, caso alguém saiba. Quanto as comemorações da vitória aliada na Segunda Guerra Mundial, ocorreram mais fatos relevantes na época: além do churrasco que falei no início, missa campal, discursos, banda da Brigada Militar, presença do prefeito de Pelotas, desfiles escolares, etc. Inclusive choveu aquele dia, fato que, segundo o jornalista da época, não desmereceu a festa.
Abaixo transcrevo a reportagem complementar do Diário Popular, de 15 de maio de 1945:
Coroada de êxito
a Festa da Vitória
no Capão do Leão
Conforme amplamente noticiamos em nossa última edição, teve lugar domingo último, na vila de Capão do Leão, em nosso município, uma imponente festividade cívica em regozijo á rendição incondicional da Alemanha.
Como se previra, uma grande multidão afluiu áquela localidade, participando, juntamente com os moradores dali, do desdobramento do vasto programa elaborado pela comissão organizadora.
Às 9 horas, depois de magnífica e aplaudida oração pronunciada pelo dr. Antero Moreira Leivas, foi, na presença das autoridades civis, militares e eclesiásticas locais, procedido o hasteamento do Pavilhão Nacional, cerimônia essa que teve lugar, no largo principal daquela vila, onde estava erigido, o palanque oficial. Nessa mesma ocasião, usou da palavra o capitão Júlio A. dos Santos Cruz, do 4o. B.C. da Brigada Militar, cujo discurso, alusivo também á vitória das Nações Unidas recebeu entusiástica salva de palmas.
Às 10 horas, de acôrdo com o que estava programado, foi rezada missa campal, cujo ato teve como local o monumento que ali se ergue em homenagem á paz de 1918.
Apesar da Chuva, não foi empanado
o brilho das festividades
Aproximadamente ás 11,30 horas, momentos antes de ser servido o churrasco uma forte chuva veiu prejudicar o desdobramento do programa, cujo ponto culminante era justamente o churrasco. Entretanto, apesar dêsse imprevisto, a festa promovida pelos moradores do Capão do Leão, não foi prejudicada em seu brilhantismo, pois tudo o que estava assentado previamente decorreu como se fosse num lindo dia de sol.
Desfile de Grupos Escolares
Uma das mais importantes partes da festa realizada no Capão do Leão, em regozijo á rendição incondicional da Alemanha, foi o desfile escolar realizado pela principal rua e que teve a participação de elevado número de crianças. Esse desfile foi cadenciado pela banda musical do 4o. Batalhão de Caçadores da Brigada Militar, a qual contribuiu para o sucesso de que se revestiu aquela festividade.
Conforme antecipamos, foi também inaugurado, pelo dr. Sílvio da Cunha Echenique, prefito municipal, o novo monumento comemorativo á paz de 1945, que acaba de ser construído na Pedreira Municipal daquela localidade.
Quaisquer pessoas que tiveram informações ou fotos a respeito destas comemorações, por obséquio, entrem em contacto.

2 comentários:

José Antônio Ribeiro disse...

Estou há 25 anos no Rio de Janeiro e emocionei-me em ler este texto. Tinha 14 anos quando aconteceram os festejos do final da guerra, estava aí. Parabéns pela descoberta!

Anônimo disse...

...please where can I buy a unicorn?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...