terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Sociedade Carnavalesca "A Chuva"


Alguns trechos de jornal compilados em pesquisas anteriores, que organizamos recentemente sobre esta interessante e desconhecida entidade carnavalesca de Capão do Leão.

"Hontem no Capão do Leão se deu concorrida reunião para fundação de uma nova sociedade carnavalesca, 'A Chuva'. Acompanhavam a movimentada sessão o sr. João Álvarez, o sr. Julio Medina, o dr. Eduardo Flores e o sr. João Vieira Cunha, entre outras personalidades locais. Foi eleita a primeira directoria da sociedade carnavalesca que ficou assim composta: presidente, sr. João Álvares; 1o. vice-presidente, dr. Eduardo Flores; 2o. vice-presidente, sr. João Carlos Godoy; 1o. secretario, sr. Afonso Mancha; 2o. secretario, sr. João Carret; 1o. thezoureiro, sr. Mario Aquine Filho; 2o. thezoureiro, sr. Julio Medina; mestre de cerimonias, sr. Izidro Silva; orador, capitão Carlos Brum.
Encerrada a cerimonia, ficou responsável pelos estatutos sociais o sr. dr. Victor Russomano." 
(Diário da Tarde, 17 de janeiro de 1924, pág. 2, col. 1)

"A Sociedade Carnavalesca 'A Chuva' promove animado baile ao ar livre no próximo domingo, 10, no largo da Estação Férrea do Capão do Leão. A directoria communica aos leitores que havera trem saindo ás 18 horas para os excursionistas que vierem pela manhã."
(Diário da Tarde, 06 de fevereiro de 1924, pág. 2. col. 4)

"O sucesso ecoante do último baile noturno realizado no Capão do Leão pelos alegres rapazes da S.C. A Chuva repercutiu até a redacção de nosso jornal."
(Diário da Tarde, 05 de março de 1924, pág. 2, col. 2)

"O grupo Lira de Apollo e a Sociedade A Chuva promovem no próximo domingo no Capão do Leão o já tradicional baile de carnaval noturno."
(Diário da Tarde, 17 de fevereiro de 1925, pág. 2, col. 2)

"Rixa
Os elegantes festejos carnavalescos da Sociedade A Chuva foram empanados, ante-hontem, pelo ato desgraçado de dois homens que resôlveram no local do baile tirar 'á limpo' uma antiga rixa que envolvia dívida de jôgo. O sujeito conhecido como Lalico Silveira desferiu golpes de adaga na barriga de um outro tão somente chamado Marisco, que dizem os locais ser procedente da visinha cidade de Rio Grande. O alvoroço foi tamanho que distintas senhoras chegaram a desfalecer no local.
Avisada a autoridade, seguiram immediatamente para ali, o tenente Lourival Lopes, o commisario do 5o. posto e o medico municipal. Lalico Silveira evadiu-se do local cruzando uma sanga que corta as proximidades do Capão do Leão. O outro encontra-se internado na Santa Casa de Misericórdia."
(Diário Popular, 23 de fevereiro de 1925, pág. 2, col. 1)

"Edital
O presidente da Sociedade Carnavalesca A Chuva convoca todos os sócios da associação para reunião de eleição da nova diretoria a ser realizada no próximo dia 12 na sede social.
Capão do Leão, 09 de Janeiro de 1927.
Mário Aquine Filho. - Presidente."
(Diário Popular, 11 de janeiro de 1927, p. 3, col. 1)

Observação nossa: curioso é que, já na década de 1920 existiam confusões no carnaval. Interessante igualmente é a realização de bailes noturnos na época.

Significado e origem de sobrenomes alemães - Parte 43


671. Rink: sobrenome poligenético que significa argola, anel, aro, fivela. Etimologicamente provém do termo homônimo do alto alemão medieval. Segundo Thomas Rink, o sobrenome serve para designar duas profissões: o artesão fabricante de anéis e jóias metálicas ou o artesão fabricante de fechos de metal. Num aspecto mais restrito, o termo também pode corresponder de modo figurado a pessoa pequena e ágil. O sobrenome data do século XV e concentra-se principalmente no Hesse, mas também com ocorrências significativas na norte da Baviera e Turíngia.
Variantes: 
Rinke - variante do norte da Alemanha.
Rinker - variante derivada do Hesse e Renânia-Palatinado.
Rinck, Rincke - variantes comuns do oeste e sul da Alemanha.
Ring - variante no sul da Alemanha e na língua inglesa.
Rincker - variante comum na Renânia do Norte-Westfália.
Rinkenmacher, Rinkenmecher, Ringmacher, Rinkmacher - variantes derivadas que significam fabricante de aros, fabricante de aneis.
Ringk, Ringck, Ringker, Ringcker, Ringger, Ringer - variantes relacionadas do sul da Alemanha.
Ringler - variante encontrada na Baviera e Baden-Wüttemberg.
Ringeli - variante encontrada no suíço-alemão, em especial na região de Zurique.
Rynge - variante encontrada na Westfália.
Ringg - variante de uma família nobre de Oberland, Suíça.
Rhynck, Ringt, Ryngk, Ringkh, Rinckh - variante comuns na Suíça.
Ringe - variante do sul da Alemanha.
Ringge, Ringger, Ringgers - variantes do sul da Alemanha, região dos Alpes e Áustria.

672. Loch: sobrenome poligenético que significa literalmente buraco ou abertura. Etimologicamente provém do termo homônimo do alto alemão medieval com o mesmo sentido. Todavia, no mundo da língua alemã, Loch é um substantivo para designar floresta ou zona úmida (pantanal, pântano, charco). Por isso, o sobrenome significa aquele que habita numa floresta ou aquele que habita uma zona úmida. Este entendimento é amplamente sustentado pela Genealogia alemã.
O sobrenome data do século XV e concentra-se principalmente no sul da Alemanha e Áustria.
Loch também é um topônimo comum na Alemanha.
Variantes:
Lochs, Loches - variantes no genitivo da língua alemã.
Löcher - variante no plural da língua alemã.
Lochmann, Lochman - variantes com o sufixo mann.
Lach, Lachmann, Lache, Lachs, Lacher, Laach, Laa - variantes comuns no sul da Alemanha, encontradas nos dialetos alemãnico, suábio, bávaro e francônio mais ou menos de forma igual.

673. Graupner: sobrenome poligenético que significa comerciante ou agricultor de cevada pérola (Hordeum vulgare). O sobrenome é originário da região leste da Alemanha e Silésia, onde concentra-se com intensidade. Data do século XIV.
Variantes:
Gravpner, Grupener, Graupener - variantes arcaicas.
Graup, Graupe, Gräup, Grauppe, Grauper - variantes do leste e sudeste da Alemanha.
Graub, Graube, Gräube, Graubbe, Grauber - variantes do sul, sudeste e noroeste da Alemanha, também comuns na Áustria e República Tcheca.
Graubenmacher, Graubemacher, Graupenmacher, Graupemacher - variantes compostas com o mesmo significado de Graupner.
Kraupner, Kraup, Kraupe, Kraupp, Krauper, Kraupen - variantes típicas da Boêmia e Silésia, mas também com ocorrências na Lusácia, Saxônia, Alta Áustria e Baviera.

674. Storch: sobrenome poligenético que significa cegonha (Ciconia ciconia). Provém etimologicamente do alto alemão medieval storc com o mesmo sentido, estando aparentado com o vocábulo sterke que significa rígido. Figurativamente, Storch designava pessoa com pernas longas ou pessoa de postura rígida. Pode ainda corresponder a pessoa de caráter rígido ou de modo mais raro habitante de uma construção de palafitas. O sobrenome parece mais relacionado à metade meridional da Alemanha, embora tanto o original quanto suas variantes aparecem em toda a Europa de língua alemã. Data do século XV.
Storch também nomeia uma família nobre de Osnabrück, Baixa Saxônia, com origem no século XVII.
Variantes:
Storchs, Storches - variantes no genitivo da língua alemã.
Störche - variante no plural da língua alemã.
Stork - variante na língua inglesa, mas que também é comum no noroeste da Alemanha como vertente própria.
Starkis - variante no idioma letão.
Abar - forma própria do baixo alemão.
Eiber, Ooievaar, Uiver - formas próprias na língua holandesa.
Earrebarre, Eiber, Eibert - formas próprias na língua frísia.

675. Degen (1a. vertente): sobrenome patronímico que significa filho de Degenhardt. Degenhart é um primeiro nome da língua alemã que significa guerreiro duro, guerreiro forte. 
Degen (2a. vertente): sobrenome poligenético que significa guerreiro. Provém do termo homônimo do alto alemão medieval com o mesmo sentido. 
Degen (3a. vertente): sobrenome poligenético que significa espada, porém pode também significar vários tipos de armas de lâmina (punhal, esgrima, adaga, florete), dependendo da região e época. É um sobrenome relacionado ao contexto militar, correspondendo primeiramente ao guerreiro que manuseia uma espada, mas também pode designar genericamente guerreiro que manuseia arma de lâmina.
O sobrenome data do século XIII, ocorre em toda a Europa de língua alemã, mas concentra-se especialmente na Renânia-Palatinado.
Variantes:
Deghen - variante arcaica.
Degenhardt - variante relacionada à 1a. vertente, ocorre especialmente no norte do Hesse e oeste da Turíngia.
Degenhart - variante encontrada na Baixa Saxônia; relacionada à 1a. vertente.
Degenhard - variante relacionada à 1a. vertente, com concentração na Renânia do Norte-Westfália.
Degenhardus, Techenardus, Thegenardi, Deghenardi - variantes arcaicas relacionadas à 1a. vertente.
Degens - variante no genitivo da língua alemã.
Tegen, Tegens - variantes que ocorrem no centro-oeste da Alemanha.

676. Diener: sobrenome poligenético que significa servo doméstico, empregado doméstico. Etimologicamente está relacionado ao verbo dienen (servir, utilizar). O conceito de Diener se aproxima do conceito de valet, isto é, um atendente pessoal de um nobre ou senhor de posses, diferente de um mordomo que administra uma casa. Seria o equivalente às damas de companhia das mulheres nobres europeias. 
O sobrenome parece ter origem no século XV e ocorre em toda a Europa de língua alemã.
Variantes:
Dieners - variante no genitivo da língua alemã.
Domestik - forma obsoleta, sendo um sinônimo de Diener.
Lakai - outra forma obsoleta, sinônimo comum, derivado do francês laquais, com a mesma correspondência.
Hausdiener - variante composta que pode ser entendida como mordomo.

677. Dietmar: sobrenome patronímico que significa filho de Dietmar. Dietmar é um primeiro nome da língua alemã, usado largamente durante a Idade Média, etimologicamente provindo da aglutinação dos termos do alto alemão clássico diot (povo, pessoa, gente) e mar (famoso, conhecido). Na verdade, o nome ainda é mais antigo e existia na forma gótica como Thiudamer. 
O sobrenome é considerado um dos primeiros patronímicos em língua germânica, datado do século XII. Ocorre principalmente no sul e leste da Alemanha e  na Áustria.
Variantes:
Diettmar, Dietmer, Dietmars, Dietmers, Dietmare, Dietmaren - variantes comuns.
Ditmar, Dittmar, Dittmer, Detmar, Detmer, Dettmer - variantes comuns, relacionadas ao centro-leste e centro-norte da Alemanha.
Thietmar, Theodomar, Teutomar, Theotmar - variante pouco usuais, algumas arcaicas.
Dietz, Till, Tillo, Til, Tyl, Tyll, Thill, Tile - variantes curtas típicas do norte da Alemanha.
Tim, Timo, Thiemo, Timmo, Diemo, Dimo, Dieto - variantes curtas relacionadas do centro-sul da Alemanha.

678. Biedermann: sobrenome poligenético que significa homem honesto, homem íntegro. Provém do alto alemão medieval biderman com o mesmo sentido. Todavia, o sobrenome pode tanto designar a qualidade moral de alguém, quanto ser uma forma pejorativa para evidenciar justamente o contrário. Isto é, em alguns casos Biedermann foi alcunhado para definir uma pessoa honesta, em outros para ironizar a conduta de alguém. O sobrenome ocorre com mais frequência no sul da Turíngia e norte da Baviera, mas com concentrações importantes também em Baden-Wüttemberg e região de Berlim. Data do século XIII.
Variantes:
Biederman, Biedermanns, Biederman, Bidermann, Biderman, Bidermanns, Bidermans - variantes comuns.
Bideberman - variante arcaica.
Bieder, Bider - variantes curtas comuns.
Bünzlig - variante no suíço-alemão.

679. Zabel: sobrenome que elenca várias acepções possíveis, todas consideradas críveis do ponto de vista genealógico. As explicações são:
1 - Segundo Hans Bahlow, termo originário na Prússia e Lituânia e com o significado de mofado, conforme a palavra báltica sapelejis. O sobrenome designaria um habitante de um lugar muito úmido e, em sentido mais estrito, um pescador de carpas.
2 - De acordo com H.G. Pohdel e M. Mechow, derivado do vocábulo do antigo prussiano sapa ou sapelis com o significado de suco, espuma. Nesta acepção, o significado seria vidente, adivinho, fazendo referência ao hábito pré-cristão e pagão da região do Báltico de interpretar o futuro mediante a "leitura" da espuma do mar, da cerveja ou do leite (mais comum). Tal costume não pode ser descartado, pois sobreviveu na região até à Idade Contemporânea.
3 - Com a mesma raiz semântica da acepção anterior, o genealogista lituano A. Vanagas considera que o sobrenome também pode corresponder a profissional que fabrica laticínios, podendo designar leiteiro, queijeiro, fornecedor de nata, manteigueiro, etc.
4 - Um matronímico do primeiro nome feminino Isabela/Isabelle.
5 - Um jogador de xadrez ou gamão (jogos comuns na Idade Média). Zabel é um substantivo derivado do termo latino tabula (tabuleiro) e em várias ocasiões é sinônimo de jogo de gamão.
6 - Zabel também pode ser considerada uma aliteração de Zobel, que é a marta zibelina (Martes zibellina) - uma espécie de mamífero mustelídeo eurasiano estimado por sua pele. Neste caso, designaria o caçador ou comerciante de peles de zibelinas ou de animais selvagens. Esta acepção é atestada por Eduard Zabel.
7 - Um tipo de peixe de água doce denominado Zobel (Ballerus sapa), comum em rios da Europa Central e Oriental. Designaria assim o ofício de pescador.
8 - Zabel também é um patronímico dos primeiros nomes masculinos Zabellus ou Sabellus.
9 - Na Renânia, Zabel é uma palavra jocosa para pessoa de perna arqueada.
O sobrenome ocorre principalmente em Mecklemburgo-Pomerânia, Brandemburgo, Saxônia-Anhalt e região de Berlim. As variantes mais antigas são datadas do século XIII.
Variantes:
Sapelle - variante arcaica relacionada à 1a. acepção.
Zapel - variante encontrada no leste europeu.
Sapel, Zabeil, Zabell, Zobel, Zabella, Zabelskis, Zabiela, Zabelavicius - variantes do nordeste da Alemanha, norte da Polônia e região do Báltico.
Zobela, Zobeliauskas, Zobelius, Zobell, Zablewski, Zablinski - variantes encontradas primeiramente na Lituânia, mas também com ocorrência em toda a antiga zona prussiana.
Zabalujews, Sapals, Sapala, Sapels - variantes encontradas primeiramente na Letônia, mas com ocorrência em toda a antiga zona prussiana.
Zabil - variante arcaica encontrada em Mecklemburgo-Pomerânia.
Sabel, Sabellus, Zabellus - variantes relacionadas à 8a. acepção, encontradas no norte e nordeste da Alemanha e oeste da Polônia.
Tzabel, Tzabels - variantes encontradas em Mecklemburgo-Pomerânia.
Zobell - variante relacionada à 6a. acepção.
Czobel - variante encontrada em Jihlava, República Tcheca.
Czobelaw - variante encontrada na Boêmia e Lusácia.
Szabell - variante encontrada em Marienkirche, Mecklemburgo-Pomerânia.
Zobl - variante do sul da Alemanha, relacionada à 6a. acepção.
Sobel, Sobell, Sobellus - variantes aparentemente relacionadas ao Oberlausitz, Saxônia e sul da Polônia.
Szabel, Szobel, Szobell - variantes do leste da Alemanha e leste europeu.

680. Pelz: sobrenome poligenético que significa pele. Provém etimologicamente do alto alemão medieval bellez, por sua vez derivado do termo latino pellicia, ambos com o sentido de pele animal. O sobrenome por isso designa o profissional que se ocupa com peles animais, podendo ser caçador, comerciante ou curtidor de peles animais. 
A possibilidade de Pelz e suas variantes serem confundidas com Pilz (cogumelo) é grande devido aos diferentes falares da língua alemã na Europa. Além disso, no Hesse Pelz ou Belz pode designar lugar úmido, pântano. De qualquer forma, considera Pelz como sinônimo de peleiro. O sobrenome é mais comum no sul da Alemanha e Áustria e data do século XIV.
Variantes:
Pelzes - variante no genitivo da língua alemã.
Pelze - variante no plural da língua alemã.
Pelzer - variante derivada comum que significa literalmente peleiro.
Peltzer - variante derivada comum no norte da Alemanha.
Pels - variante mais comum no noroeste da Alemanha e Países Baixos.
Belz - variante da região de dialeto alemânico.
Pitz, Pitzer - variantes comuns no Hesse.
Beltz - variante relacionada do centro-oeste da Alemanha.
Peltz - variante comum na Renânia do Norte-Westfália.
Piltzer, Peltzer, Peltze - variantes derivadas.
Pals - variante na língua sueca.

681. Schmalz: sobrenome poligenético que significa banha, gordura. Provém etimologicamente do alto alemão medieval smalz com o mesmo sentido. Designa principalmente o comerciante de banha de porco - produto considerado de primeira necessidade na Idade Média em regiões europeias mais distantes do Mediterrâneo. Em alguns casos mais restritos, Schmalz pode corresponder a comerciante de outros tipos de gordura animal, seja a proveniente de animais domésticos (ganso) ou de animais selvagens (texugo, marmota). Mas há consenso na primeira explicação, dado o próprio vocábulo significar literalmente banha de porco na língua alemã moderna.
Curiosamente, Schmalz (banha) é uma palavra usada coloquialmente na Alemanha para conotar sentimentalismo exagerado.
O sobrenome data do século XIII e ocorre principalmente na Saxônia, Turíngia e oeste de Baden-Wüttemberg.
Variantes:
Schmaltz - variante mais comum no norte da Alemanha.
Schmalzes - variante no genitivo da língua alemã.
Schmalze, Schmalzen, Schmaltze, Schmaltzen - variantes no plural da língua alemã.
Schmals - variante encontrada em imigrantes alemães nas Américas. É uma aliteração.
Schmaltzy - variante composta do leste da Alemanha.
Smalz, Smalze - variantes arcaicas.
Schmer - variante típica do baixo alemão com o mesmo sentido. Neste caso, incluem-se também: Schmerzen, Schmerb, Schmerze, Schmeer, Schmertze, Schmertzen, Smer, Smeer, Smers, Smeers. Schmerl, Schmerle. Vale ressaltar que todas essas formas ocorrem desde o extremo noroeste, se estendendo pela região renana de um lado e pelo norte-nordeste de outro.
Schmier - variante própria do dialeto alemânico. Atualmente é entendido no alemão moderno como graxa, coisa viscosa ou lubrificante, mas está historicamente relacionada à explicação do sobrenome. Schmier também é uma forma figurada para policial (a partir do século XIX).
Schmiere, Schmiere - variantes derivadas de Schmier.
Smerissen - variante da língua holandesa.

682. Donat (1a. vertente): sobrenome patronímico que significa filho de Donat. Donat (Donato em português) é um primeiro nome da língua alemã derivado do nome latino Donatus (presente de Deus). Esta vertente data do século XIV.
Donat (2a. vertente): sobrenome poligenético de origem prussiana no século XVI que significa aproximadamente aquele que vive de rendas (fundiárias ou financeiras), no sentido de uma pessoa que delega a outrem a administração de suas posses. Está relacionado etimologicamente com a palavra donyla (doação) do antigo prussiano.
O sobrenome ocorre principalmente na Saxônia e Brandemburgo.
Variantes:
Donath - variante muito comum em toda a porção oriental da Alemanha, desde o norte até o sul, atingindo a Áustria.
Donatus - variante latinizada do século XIV
Donato, Danat - variantes arcaicas.
Donies, Donillatis, Donait, Donait, Donitzer, Donalatis, Donalatius, Donaleit, Donaleitis, Donallis, Donalis, Donallies, Donauer, Donecker, Doneiski, Donig, Doniger, Donin, Donn, Donnet, Don - variantes relacionadas encontradas no nordeste, norte, leste e sudeste da Alemanha, aparentemente vinculadas à 2a vertente.

683. Hirt: sobrenome poligenético que significa pastor de animais. Etimologicamente provém do alto alemão clássico herte com o mesmo sentido. É um sobrenome datado do século XIV e que se distribui de forma mais ou menos regular em toda a Europa de língua alemã.
Variantes:
Hirten - variante no plural da língua alemã.
Hirth - variante mais comum no sul da Alemanha e Áustria.
Hird, Hirde, Hirden - variantes relacionadas à Escandinávia e extremo-norte da Alemanha.
Hirte, Hirtes - variantes relacionadas.
Pastor - variante latinizada surgida em Aachen no século XV.

684. Lamprecht: sobrenome patronímico que significa filho de Lamprecht. Lamprecht (Lamberto em português) é um primeiro nome da língua alemã derivado da composição dos termos do alto alemão clássico lant (terra) e behrat (brilhante). A popularidade do nome na Idade Média se deve a São Lamberto de Liège (635-705), orago particularmente venerado e parte do folclore da região de Münsterland, na Westfália.
O sobrenome data do século XIII e ocorre principalmente no norte de Baden-Wüttemberg, parte de Saxônia-Anhalt e Brandemburgo.
Variantes:
Lambrecht - variante mais comum, ocorre frequentemente na Westfália, Saxônia-Anhalt e Baixa Saxônia.
Lambertus - variante latinizada da Idade Média.
Lampert - variante comum em Brandemburgo, Saxônia-Anhalt e Saxônia.
Lambert - variante comum na Renânia do Norte-Westfália, Hesse, Saxônia-Anhalt e Baviera.
Lammert, Lamert - variantes comuns no baixo alemão.
Lämmert - variante do norte da Alemanha.
Lantpert, Lantbert, Landpert, Landbert - variantes relacionadas ao sul da Alemanha, próprias de falares regionais, principalmente do Hesse e Baviera.
Lammer, Lämmer, Lamer - variantes relacionadas da região renana e na área do baixo alemão.

685. Ley: sobrenome que possui duas acepções possíveis:
1 - Um patronímico curto do primeiro nome medieval Eligius (Elói em português), consagrado por um santo cristão homônimo do século VII, venerado na Europa Ocidental e Central por ser padroeiro dos ourives, ferreiros e ferradores de cavalos.
2 - Uma palavra antiga que significa rocha ou penhasco, designando assim um habitante de um lugar rochoso ou de um penhasco.
O sobrenome data do século XIV e ocorre principalmente na região limítrofe entre a Renânia do Norte-Westfália e Renânia-Palatinado.
Ley também é um topônimo comum na Europa Ocidental, tanto na Alemanha, Países Baixos e França.
Variantes:
Leyh, Eley - variantes arcaicas.
Leyen - variante no plural relacionada à 2a. acepção.
Lay, Lei, Lai, Laige, Lägge - variantes encontradas na região do Reno e na região do baixo alemão. Obs.: Lay também existe na língua francesa.
Leia - variante na língua saxônica.
Leye, Leie - variantes curtas consideradas grosseiras.














Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...