quinta-feira, 8 de maio de 2008

Santa Tecla: vida & veneração


Existem várias santas católicas com este nome, porém a venerada em Capão do Leão é a “mais famosa”, com culto bastante arraigado na Península Ibérica, Itália, Grécia, Armênia, Síria e partes da América Latina. Embora Santa Tecla tenha nascido em Iconium, por volta do ano 30 da Era Cristã, na região da Licaônia, hoje parte da Turquia. As única fontes sobre sua vida e apostolado são dois escritos apócrifos: Atos de Paulo e Tecla (século II) e Atos de Xantipas, Polyxena e Rebeca (século III).
Tecla teria se convertido ao cristianismo por volta do ano 48, quando da visita e pregação do Apóstolo Paulo à cidade de Iconium. Após devotar-se à virgindade, como marca de sua aceitação à nova fé, desagradara à família e ao noivo que a perseguiram. Depois de passar por muitas provações, decidira acompanhar Paulo em suas viagens missionárias, especialmente a Antioquia da Pisídia e Mira. Morreu em avançada idade na cidade de Isauria, na Síria. Relata-se que quando de sua morte, foram enviados soldados para ultrajá-la, numa gruta em que Tecla vivia como eremita. Segundo a tradição, Tecla orou para livrar-se do novo tormento e permanecer pura. A gruta então desmoronou, deixando somente os dois braços a descoberto. Os seguidores de Tecla recolheram os braços como relíquias e transladaram-nos até a cidade de Seleucia para dar-lhes sepultura. O local logo se converteu em centro de peregrinação de cristãos armênios.
Santa Tecla tornou-se uma das santas mais populares do 1o. milênio da Era Cristã, sobretudo no Oriente, onde várias topografias remetem à mártir. Nas igrejas Armênia e Síria, os Atos de Paulo e Tecla chegaram a fazer parte do cânon bíblico primitivo. No Ocidente, já no século IV registra-se a veneração à santa nas comunidades cristãs da Gália. Mas foi na Península Ibérica que a devoção à Santa Tecla encontrou grande simpatia.
A cidade de Tarragona (Espanha) rendia grande devoção a uma “Beata Thecla Virgine”, desde o século III. Em 1117, o Conde Ramón Berenguer III libertara a cidade dos mouros e doou as terras para a Igreja. Dada a veneração intensa que os tarraconenses rendiam a “Beata Thecla”, resolveram escolhê-la como padroeira. Como não sabiam qual das “Tecla” se tratava, decidiram homenagear Santa Tecla de Iconium – por basearem-se numa antiga tradição que remetia a visita de São Paulo à cidade, supondo-se que a santa o acompanhara.
Em 1319, Dom Raymond de Avignon (nobre local) e um grupo de cônsules de Tarragona embarcaram no porto de Barcelona em direção à Armênia para buscar as relíquias da santa. Munida de uma carta de recomendação do rei Jaime II de Aragão, a comitiva fora negociar com o rei armênio Onsino e, após tratativas, adquiriu as relíquias de Santa Tecla, dando em troca 40 cavalos andaluzes, um trono de ouro, 2000 queijos de Mallorca e outros produtos. Além dos ossos dos dois braços, o rei cedera também à comitiva mais alguns ossos do corpo (os quais se consideravam perdidos). De volta à Espanha, as relíquias são custodiadas ao Mosteiro de Sant Cugat de Vallés. Porém os ossos de um dos braços seguiram até Tarragona, para regozijo da população. Em 1811, durante as guerras napoleônicas, as tropas francesas do Gal. Suchet invadem e destroem Tarragona. A pilhagem que se segue atinge a Igreja de Santa Tecla e a relíquia é perdida. Em 1814, o Mosteiro de Sant Cugat doa à Tarragona a relíquia do outro braço, para que a cidade pudesse seguir com a devoção viva. No fim do século XX, durante escavações em uma casa antiga, encontrou-se, atrás de uma parede, uma pequena arca com ossos de um braço humano. Após averiguações, certificou-se que era a relíquia perdida de Santa Tecla, extraviada durante as guerras napoleônicas. A partir deste momento, a Igreja de Tarragona passou a custodiar “os dois braços” da santa.
Outras cidades que possuem veneração especial à santa: Braga (Portugal), Santo Domingo (Rep. Dominicana), Milão (Itália), Chicago (Estados Unidos), Schamiadzin (Armênia), Maalula ( Síria) e Meryemlik (Turquia).

3 comentários:

McVanRod disse...

Sinceramente... yo no creo en santos

Solo creo en Jesús que me ama y murió por mi..

Saludos... Buen Blog.....

Brasil = Gigante :-)

http://www.mcvanrod.blogspot.com/

Joaquim Dias disse...

Enquanto pesquisador não me posiciono, necessariamente, em função de uma ou outra perspectiva religiosa. O blog serve como registro da cultura e da sociedade do Capão do Leão, no qual a Igreja Católica é parte importante. Atuo como observador dos fatos e não como agente político. Neste mesmo blog já postei, por exemplo, fotos de uma congregação batista. Não entenda-se nada além disso...por favor! Qualquer comunidade religiosa que, tendo material, quiser ser aqui representada, não colocarei empecilho algum.

Plínio Gasparin disse...

Boa pesquisa! Parabéns!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...