quarta-feira, 31 de maio de 2006

Dados gerais sobre Capão do Leão

A localidade remonta ao século XVIII, época da disputas territoriais entre lusos e espanhóis. Os primeiros habitantes europeus datam da década de 1780 e eram sesmeiros. Isto é, em geral, pessoas que recebiam da Coroa Portuguesa, como retribuição aos serviços prestados, lotes de terra. Na região de Pelotas isto foi muito comum e, no Capão do Leão, acusa-se a existência de três sesmarias dessa época: Sant'ana, São Thomé e Pavão.
Durante o século XIX, a localidade converteu-se num importante paradouro de tropeiros que traziam gado da Campanha para as charqueadas pelotenses. Em 1893, Capão do Leão foi elevado à condição de distrito de Pelotas(quarto). Com o início das obras para a construção dos molhes da barra do porto de Rio Grande, no início do século XX, Capão do Leão contribui muito com este projeto. Dado que era (e é) uma das principais reservas de granito do estado.
Pois bem, retirou-se grande quantidade de blocos de pedra de granito de Capão do Leão nessa época, o que trouxe certo desenvolvimento à vila (que já datava da década de 1880), com a migração de vários operários que vieram trabalhar nas minas. Um dos aspectos importantes desse processo foi a instalação da Compagnie du Port du Rio Grande du Sud, em 1909.
Durante o século XX, mais e mais migrações contribuíram para o aumento da vila, bem como o surgimento do bairro Jardim América, nos anos 50.
Em agosto de 1963, houvera uma primeira tentativa emancipacionista que, entretanto, foi anulada na justiça. Somente em 03 de maio de 1982 a emancipação tornou-se uma realidade.
Posteriormente, elegeu-se o primeiro prefeito (Elberto Madruga) e a primeira câmara de vereadores. O atual prefeito é o Sr. Vilmar Schmitt (PDT).

7 comentários:

Arthur Victoria Silva disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Arthur Victoria Silva disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Arthur Victoria Silva disse...

Prof. Joaquim,
Segundo a Revista do Primeiro Centenário de Pelotas de 30/12/1911, Santana eram as terras enre o Arroio do Pavão e o Rio Piratini e pertenciam a Antônio Araujo. As terras do Padre Doutor eram perto do Arroio São Thomé (hoje Arroio do Padre), portando acredito que haviam dois lugares com o mesmo nome. sds., Arthur

Arthur Victoria Silva disse...

Prof. Joaquim,
Me desculpe, me enganei. Esta informação está em "MOREIRA, Angelo Pires. Primordios de Pelotas. IHGPEL – Revista do Instituto Histórico Geográfico de Pelotas. Abr/jun/1990.", sds

Arthur Victoria Silva disse...

Coloquei algo em...
http://capaodoleao.blogspot.com/2006/03/9-primeiras-sesmarias.html

Arthur Victoria Silva disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Arthur Victoria Silva disse...

Prof Joaquim Dias,

Tudo bem. Bom encontrar uma pessoa que goste do mesmo assunto para trocar idéias.

Encontrei um documento muito interessante na internet (http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp000299.pdf). Parece ser bem sério mas diverge em um assunto que ainda tenho muitas dúvidas. Segundo este documento, a Estância Santana pertencia a Félix da Costa e pelo mapa da página 64, ficava bem longe do Capão do Leão. No 1o livro do Instituto Histórico e Geográfico de Pelotas, aparece Santana como sendo de Antônio Araujo e ficando entre o Rio Piratiny e Arroio do Pavão. Também aparece Santana, em várias bibliografias, como sendo do Padre Doutor e localizando-se onde hoje é o Capão do Leão; Fico com as seguintes dúvidas:
1o - Será que se chamava Santana estas terras entre o Piratiny e Pavão?
2o - Sendo Santana a estãncia de Félix da Costa, será que a Estância do Padre Doutor não se chamava Capão do Leão?
Vou tentar pesquisar mais sobre o Assunto.
Sds.,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...